Então você gosta de pimenta. Mas será que você consegue encarar as pimentas da nossa lista? Para se ter uma idéia, recomenda-se o uso de luvas e máscaras para manuseá-las, pois o contato com a pele pode causar irritações e alergias.

Para medir o grau de ardência de uma pimenta é utilizada a “Escala de Scoville”, conhecida pela sigla SHU. Criada em 1912 pelo farmacêutico americano Wilbur Scoville, o método consiste na introdução de pimentas em uma solução com água e açúcar. Quanto maior a quantidade de solução necessária para diluir uma pimenta, mais alto é o seu grau de ardência.

Como um parâmetro, o SHU das pimentas mais comuns nos pratos brasileiros não chegam nem perto das pimentas da nossa lista. A dedo de moça atinge em média 50.00 SHU, a malagueta 80.000, a bode 20.000 e a cumari 40.000.
Confira abaixo as 10 pimentas mais fortes do mundo:
 
10: RED SAVINA (500.000 SHU)
pimentas-mais-fortes-red-savina-voglio

A criação da Red Savina é creditada a Frank Garcia, da Califórnia. De 1994 a 2006 ela foi considerada a pimenta mais ardida do mundo até ser ultrapassada pela Bhut Jolokia, que hoje é a nossa 7ª colocada.

 

9: 7 POT BARRACKPORE (987.000 SHU)
pimentas-mais-fortes-7-pot-barrackpore-voglio
Apesar de levar o nome de uma cidade indiana, a 7 Pot Barrackporre é de Trinidad e Tobago. O nome dessa pimenta híbrida também leva o “7 pot” na frente, pois dizem que com uma única pimenta é possível temperar 7 panelas de caldo.
 
8: 7 POT BRAIN STRAIN (1.000.000 SHU)
pimentas-mais-fortes-7-pot-brain-strain-voglio
A Brain Strain recebeu esse nome por se parecer com um cérebro.  Criada por David Capiello essa pimenta possui sabor marcante levemente defumado e adocicado além de uma ardência de 1.000.000 SHU
 
7: BHUT JOLOKIA (1.041.427 SHU)
pimentas-mais-fortes-bhut-jolokia-voglio
Também é conhecida como Naga Jolokia, Ghost Pepper (pimenta fantasma) e Naga Morich. Ficou famosa em 2007 quando foi a primeira pimenta a atingir mais de 1 milhão na escala Scoville e manteve seu status de mais pungente do mundo durante um bom tempo.
 
6: 7 POT PRIMO – 1.268.250 SHU
pimentas-mais-fortes-7-pot-primo-voglio
A “7 Pot Primo” é muito distinta, pois possui uma fina e pequena “cauda” que lembra a ponta da pimenta dedo de moça. É o resultado do cruzamento entre a Trinidad 7 Pot e a Naga Morich e foi criada em 2005 por Troy Primeaux, cujo apelido é Primo.
 
5: NAGA VIPER – 1.349.000 SHU
pimentas-mais-fortes-naga-viper-voglio
É considerada uma pimenta rara e foi criada na Inglaterra pelo agricultor Gerald Fowler. É uma combinação híbrida das pimentas Morich Naga , Bhut Jolokia e Trinidad Scorpion.
 
4: TRINIDAD SCORPION BUTCH T – 1.463.700 SHU
pimentas-mais-fortes-butch-t-voglio
Cultivada na cidade de Morisset, ao norte de Sydney, na Austrália, seu nome significa algo como o escorpião machão de Trinidad, já que saboreá-la é uma prova de que se é muito macho.
 
3: 7 POT DOUGLAH – 1.853.936 SHU
pimentas-mais-fortes-7-pot-douglah-voglio
Por causa de sua cor marrom, a 7 Pod Douglah também é conhecida como Chocolate 7 Pod. Ela se destaca não só pela ardência que atinge até 1.853.936 SHU, mas também pelo seu sabor marcante.
 
2: TRINIDAD MORUGA SCORPION – 2.009.231 SHU
pimentas-mais-fortes-trinidad-moruga-scorpion-voglio
A nossa segunda colocada briga pau a pau com a primeira e na média geralmente leva a melhor, mas como o ranking aqui é da maior escala já registrada, a Trinidad Moruga Scorpion,  originária do distrito de Moruga, em Trinidad e Tobago fica em segundo lugar. Porém seus apreciadores reclamam a primeira colocação, por se tratar de uma espécie natural e não híbrida.
 
1: CAROLINA REAPER  – 2.200.000 SHU
pimentas-mais-fortes-carolina-reaper-voglio
Originária de Fort Mill na Carolina do Sul (EUA), o seu nome significa “Ceifador de Carolina” em referência ao local onde foi criada. Essa pimenta cujo nome científico é “HP22B” é a mais ardida do mundo e foi criada por Ed Currie, um cultivador de pimentas americano. A Carolina Reaper detém o recorde desde 2013, quando atingiu 2.200.000 SHU em um teste validado pelo Guinness World Records.

Comentários

TAGS:

LEAVE A REPLY